Arquivo | Esperando RSS feed for this section

37 semanas.

5 nov

Filha,

Hoje nós completamos 37 semanas juntinhas, coladinhas, em um mesmo corpo. Impossível não pensar em todas essas semanas e em quanta felicidade você já me proporcionou. Antes de ser concebida, você já era muito esperada e muito amada, mas essas 37 semanas me fizeram perceber o quão forte é esse sentimento, essa ligação entre nós.

Está chegando a hora de sair, de conhecer o mundo, de sentir novos cheiros, novas sensações, novos sabores. Não será fácil, eu sei. Mas eu prometo estar ao seu lado o tempo todo, a cada movimento, a cada etapa. Até agora, você foi muito legal com a mamãe. Você virou, encaixou cedinho, cresceu bonitinho, mexeu todos os dias e deixou a mamãe bem tranquila. Agora, é a minha vez de retribuir tudo isso.

Filha, venha quando quiser. Venha quando estiver pronta, quando for melhor pra você. Essa decisão é sua, esse momento é seu. Venha em paz. A mamãe está ansiosa sim, mas não ligue para isso. Com o tempo você vai perceber que eu sou ansiosa sempre. Então, sinta-se a vontade! Aproveite o quanto tempo quiser aqui dentro, e vá se preparando, tranquilamente, para o seu momento, para conhecer o mundo.

*Post originalmente escrito em 01/10/2012, quando completamos 37 semanas. Achei que tinha publicado, mas ficou em Rascunhos.

Anúncios

Fraldas de pano modernas

24 out

Cheguei a citar em um post anterior, sobre a minha opção pelas fraldas de pano modernas, ao invés das descartáveis. O meu interesse pelas fraldas de pano começou pela questão ecológica. Achei interessante, mas na época, imaginei que seria complicado demais (ainda não estava grávida) e deixei o assunto para depois. Com a gravidez, resolvi pesquisar um pouco mais e encontrei outros aspectos que foram bem importantes nesse processo de escolha. As fraldas de pano, apesar de caras e exigirem um investimento inicial maior, são mais econômicas. Em especial se você investir em modelos de tamanho único (ajustável). Além da questão econômica, também parei pra pensar em qual seria a minha sensação ao usar durante mais de dois anos seguidos, absorventes menstruais descartáveis. Desespero! Assa, coça, arde, não deixa a pele respirar!! Não demorei muito pra concluir que era a melhor opção pra minha filha. Mas ainda achava que seria uma loucura para lavar e passar tudo aquilo de fraldas. Resolvi pesquisar mais, entrei em contato com várias mães que usam as fraldas de pano, e percebi que não é esse bicho de sete cabeças que parece ser. Primeiro, porque as fraldas podem ser lavadas na máquina, com pouco sabão e não há necessidade de passar. Sendo assim, há de se criar uma rotina de lavagem das fraldas, mas nada muito absurdo. Depois de muito conversar, percebi que as fraldas de pano, além de todas as vantagens, era a que mais se encaixava na relação custo x benefício, pois eu tenho tempo suficiente pra cuidar das fraldinhas (15min/dia) e não tenho muito dinheiro sobrando! rs!

Eu poderia usar linhas e linhas pra escrever sobre como funcionam as fraldinhas, tanto em relação aos modelos, às possibilidades, ao custo, às vantagens, quanto à rotina de lavagem, mas existem textos tão bons em outros blogs, que prefiro deixar aqui o link para quem se interessar. Assim que a Ana Clara nascer, e entrarmos em uma rotina com as fraldas de pano, crio um post contando sobre a minha experiência e a minha rotina de lavagem. Seguem os links:

http://amaequequeroser.wordpress.com/tag/fraldas-de-pano/

http://eccomama.blogspot.com.br/p/tudo-sobre-fraldas-de-pano.html

Bom, além de todas essas questões, as fraldas de pano são a coisa mais fofa desse mundo! hahaha! Gente, é cada estampa mais linda que a outra, que a vontade é sair comprando uma por semana (ou mais). Isso que a minha filha ainda nem nasceu, imaginem quando eu já estiver usando! rs! E pra fazer jus, tanto à beleza das fraldinhas, quanto aos presentes que recebi, vou exibir aqui a coleção de fraldas de pano da Ana Clara (ou seria minha??). Babem! rs!

ImageEssas são as FuzziBunz, presente da prima querida, que está a perigo de ficar sem conhecer a Ana Clara fora da barriga, antes de voltar para os EUA!

ImageEssas são as Dipano e Fralda Madrinha, presente de amigas muito especiais pra mim.

ImageEssas são fraldas que eu fui comprando, até pela possibilidade de testar marcas diferentes (cada mãe/bebê se acostuma mais com um modelo, ou marca!).

ImageE essa é a coleção completa, organizada na gavetinha, junto com os mil absorventes (que vão dentro das fraldas). Espero que eu consiga manter organizada assim! rs!

Sua…

23 ago

Filha,

Antes mesmo de você estar aqui dentro, eu já me sentia mãe. Era um sentimento meio perdido, incompleto, mas era assim que eu me sentia: Mãe. Quando engravidei, fiquei muito feliz por poder realizar esse sonho e ter, logo menos, o meu bebê no colo. Fiquei pensando em cheirinho de bebê, em coisinhas de bebê, em quartinho de bebê. Aí você, em pleno domingo de Dia das Mães (o meu primeiro), resolveu se mexer. Digo, você já se mexia sempre, mas você resolveu me presentear e deixar que eu sentisse, pela primeira vez, o seu movimento. Adorei o presente. Em pouco tempo, fui começando a conhecer melhor o bebê agitadinho e bagunceiro que você é. Não para, ou resolve brincar bem na hora de dormir. Já estou até vendo como será daqui pra frente. Rs. Tem dias que acho isso tudo muito louco, muito bagunçado. Tento entender como alguém veio parar aqui dentro… como esse serzinho ainda tão dependente, já tem a sua personalidade e já consegue arrancar meus sorrisos e lágrimas de emoção.

Filha, eu achava que ser mãe era a melhor coisa desse mundo, que eu ficaria muito feliz e me sentiria mais completa. Que boba, não? Mal sabia eu que não bastaria ser mãe, mas que eu precisava ser SUA mãe. As pessoas me perguntam se estou ansiosa para te conhecer, e eu estou ansiosa sim, para sentir seu cheirinho, sua pele, ver seu rostinho, te aconchegar no meu seio, te amamentar, mas não pra te conhecer. Eu já te conheço. Sei que a cada dia, descobriremos mais um pouquinho uma sobre a outra, e espero que possamos juntas, descobrir coisas lindas.

Muito obrigada por cada chute, cada cabeçada. Muito obrigada por ter escolhido meu ventre. Muito obrigada por ser minha filha. 

Mamãe te ama.

Maternidade ativa e os desestimulantes.

23 maio

Antes mesmo de começar a escrever esse post, quero pedir desculpas caso tenha interpretado o termo “maternidade ativa” de forma diferente da qual ele é, em geral, utilizado. É um termo que está na moda, leio sobre isso em vários grupos no facebook, blogs e sites, apesar de nunca ter me aprofundado no próprio termo, interpretei da forma que colocarei agora para vocês:

Maternidade ativa para mim é buscar informação, interpretá-la e adapta-la. É não desperdiçar nenhuma opinião, mas ter a sua própria. É ouvir aquilo que o médico, o vizinho, a sua mãe, o site da internet, um blog legal, um estudo bacana, um psicólogo, um nutricionista tem a dizer, filtrar oque é útil e adaptável a sua vida e tirar a sua conclusão. É fazer uma opção baseado em informações concretas, e não apenas em “achismos” ou “minha mãe fez assim e eu sobrevivi”. E pra optar, é preciso buscar (e num mundo tão cheio de informações, esse não será um problema).

Esse tema merecia uma análise mais profunda, mas ficarei com uma superficial mesmo: Qual será a graça que as pessoas vêem em te desestimular? Cada opção que eu faço que fuja do padrão, aparece um batalhão de gente pra ser contra. E tem a máxima também: “É, você leu isso, mas você vai ver: quando nascer, nada disso vai dar certo e você terá que se render!” Vejam bem, eu tenho certeza que terei muitas surpresas e terei que adaptar muitos pensamentos e idéias que tenho hoje, mas parece que as pessoas querem simplesmente invalidar as minhas escolhas. Para exemplificar o que eu quero dizer, dois exemplos práticos:

  • Eu optei pelo PARTO NATURAL. Ainda estou atrás de médicos, convênio e outros detalhes para que essa opção se torne realidade, mas a princípio, será um parto natural hospitalar. Quero um parto sem anestesia ou intervenções desnecessárias. Resposta imediata do ser com quem eu converso sobre o assunto: “É, mas na hora da dor, você vai ver!” 
  • Eu optei por usar FRALDAS DE PANO MODERNAS. As fraldas de pano são práticas, reutilizáveis, econômicas e ecológicas. Podem ser lavadas na máquina e duram praticamente a vida toda do bebê (caso você opte pelas tamanho único). Resposta: “Ah, você acha que vai aguentar lavar fralda todo dia?” ou “Ai, que nojo, mas a máquina vai ficar suja!” ou “Ah, mas vaza na roupa!”

Acontece que as pessoas que me dizem isso não sabem oque é uma episiotomia, nunca leram relatos de parto de mães que tiveram parto natural, nunca fizeram um parto sem anestesia, nunca nem viram foto das fraldas de pano, nunca conversaram com mães que usam fraldas de pano modernas. E aí eu fico pensando: De onde vem isso? Qual a graça que as pessoas vêem em ser contra as suas ideias sem ao menos saber quais são elas? Oque leva as pessoas a serem tão preconceituosas? Qual a dificuldade em dizer: “Nossa, que interessante! Espero que você consiga!”? Eu simplesmente não entendo. 

PS: Se você é uma dessas pessoas que fez um desses comentários, não fique triste. Não é nada pessoal. Saiba: você não foi o único. No geral, as pessoas que me disseram isso são pessoas próximas e queridas e as respostas delas não mudaram em nada o meu sentimento. Então fique tranquilo. 

“Como colar um descolamento ovular”:

23 abr

Estava dando uma olhada nas estatísticas aqui do blog, e vi que alguém chegou até aqui através dessas exatas palavras: “como colar um descolamento ovular”. Pode parecer besteira, mas isso me pegou, me emocionei. Depois achei até um pouco de graça, pois não se “cola” um descolamento ovular, mas vejo que essa pergunta demonstra de uma forma bem clara o sentimento e a vontade de quem passa por isso: Fazer alguma coisa e resolver o problema. E aí a gente encontra a primeira barreira: Falta de informação. Cada médico fala uma coisa, e se não bastasse, as informações postadas na internet são controversas. Duplinha perfeita pra deixar qualquer mamãe maluca. Em consideração a tudo que passei, e aos futuros e desesperados leitores que possam aparecer por aqui, resolvi escrever um pouco sobre oque é o descolamento ovular, e como “colar” resolver esse problema. Nada aqui é muito científico, pois achei pouquíssimas informações em artigos científicos e livros de fisiologia. Assim que voltar à faculdade, prometo procurar informações em livros de Obstetrícia, e se forem relevantes, posto aqui. Então, se discordarem de algo, se tiverem mais informações, ficaria muito feliz que acrescentassem, para ajudar as mães que estão nesse processo. Então encarem como um post-resumo de tudo que eu passei e das informações que recolhi nesse período.

O que é um descolamento ovular?

Ele vai aparecer no USG como hematoma subcoriônico/ áreas hipoecóicas. Basicamente há uma diminuição na superfície de contato entre o útero e o saco gestacional (aquela bolinha preta, aonde “mora” o seu feijãozinho). Ele pode ser interpretado como uma área de descolamento ou de não acolamento.

Não acolamento: O útero cresceu um pouco mais rápido que o saco gestacional, e por isso, essa área.

Descolamento: O saco estava colado, mas descolou. Alguns motivos: Stress, impacto, problemas genéticos. Aparentemente, tudo e nada pode ser o motivo. Uma amiga minha pulou de para-quedas e teve, eu não fiz nada disso e tive também.

Qual é o problema?

Como disse acima, ocorre essa diminuição da superfície de contato entre o útero e o saco gestacional. Com essa diminuição, o aporte de sangue que chega ao saco gestacional pode ser reduzido, de forma que o bebê não receba nutrientes suficientes e o pior pode acontecer. (Segundo algumas informações, “o pior” acontece em 20% dos casos, mas com certeza o seu estará nos 80%!)

Qual tamanho é preocupante?

Segundo algumas informações, o problema é quando o descolamento ultrapassa 40% da área do saco gestacional. Mas segundo a minha médica, todos os tamanhos requerem o mesmo cuidado. Mesmo que seja 1%, todo cuidado é pouco, pois essa área pode crescer e você não quer isso (Tanto para não acolamento, quanto para descolamento).

Oque você pode fazer pra ajudar:

Repouso absoluto: Cada vez que você se movimenta, você desvia sangue para os seus músculos. Para garantir que o sangue vá para o embrião, é melhor economizar sangue com movimentos. Então, entendam por repouso absoluto, repouso absoluto mesmo. Cama/sofá.

Progesterona: Provavelmente, o médico te receitará Ultrogestan, que você deve introduzir via vaginal de acordo com as recomendações dele. Não tem efeito colateral, exceto, talvez, constipação. Então coma bastante fibras, pois você também não pode fazer força para ir ao banheiro. Esse remédio não serve para colar o descolamento, ele funciona como o repouso, garantindo que chegue mais sangue no útero.

Basicamente, é isso. Como pode perceber, nenhum dos dois garante que o descolamento “cole”, mas eles garantem que o seu pequeno feijão esteja bem, até que isso ocorra. Então vou adicionar um item importantíssimo.

Pense positivo: Seu bebê precisa de apoio, de energias positivas e de muito amor. Acredite no seu poder de ser mãe e mande essas energias maravilhosas pra ele, pois ele está precisando. Cante, conte histórias, converse, sorria. Não se desespere, por mais desesperador que seja. Esse sim, é um santo remédio. Pra você, pro descolamento e principalmente, pro bebê.

Como evolui?

O médico irá pedir um USG a cada 15 dias. Mas tente fazer semanalmente (pague, chore para o médico, vá ao PS, você que sabe). Digo para fazer semanalmente, pois há diferença sim! E no repouso, tudo que a gente pensa é no bebê pra ficar neurótico, é fácil, fácil. Então, se puder fazer, faça. Eu corria pra ver o coração, se estava batendo. Depois pensava nas outras coisas.

Enfim, o ideal é que o descolamento diminua. Mas se ele continuar igual, não se preocupe. Pois o saco gestacional cresce e portanto, ele está proporcionalmente menor. Se ele aumentar, avalie o quanto cresceu e relacione com o saco gestacional, ele pode estar maior, mas proporcionalmente igual.

E um dia, finalmente, do nada, ele terá sumido. E você vai comemorar muito! :)

Para saber mais sobre oque eu passei, a minha experiência, procure a tag “Descolamento ovular”. Se eu lembrar de mais alguma coisa, edito e posto aqui. Espero ter ajudado, e boa sorte! :)

O abraço e o sonho.

20 abr

Não sei se sou uma pessoa muito carente, ou se isso é normal, mas sempre que estou caminhando sozinha, sinto vontade de dar as mãos pra alguém. Quando estou sozinha, em casa, sinto vontade de um abraço. Assim, do nada, sem motivos. Em dias felizes, em dias tristes, é randômico. É só vontade de um carinho mesmo.

Agora, grávida e enfim, vivendo a minha gravidez, sem maiores preocupações, essa sensação mudou um pouco. Estou caminhando quando de repente, sinto um abraço. Um abraço que vem de dentro, coisa mais gostosa do mundo. Sabe aquela sensação maravilhosa de quando uma criança vem correndo e te dá um abraço sem você pedir? Então, é essa! Depois fico um tempo meio boba, e esqueço aquilo que estava fazendo (faz parte!).

Outra coisa deliciosa tem sido os sonhos. Não é a primeira vez que sonho com o meu bebê, sendo amamentado. No primeiro sonho, lembro de estar amamentando em casa, e o sonho se baseou nisso: amamentar. Essa noite, sonhei com a chegada do bebê. Não sonhei com o parto, me lembro de entrar no quarto e meu bebê estar no colo de uma tia minha. Peguei meu bebê no colo, e amamentei-o. Uma delícia de sensação. Pra completar a beleza desse sonho, uma prima minha apareceu grávida para me visitar e conhecer o bebê. Sonho melhor, impossível.

Se não fosse a minha vontade extrema de ter o meu bebê em meus braços, pediria pra ficar assim a vida inteira. É uma felicidade, um sentimento tão simples…não tem nem como explicar.

A escolha do nome.

11 abr

Nunca liguei pra essa coisas de significado dos nomes, sempre pensei em escolher aquele que eu gostasse e pronto.

Acontece que a maioria dos nomes que eu gosto tem na minha família, ou (principalmente), na família do meu marido. É impressionante! Pra menino, até hoje temos dúvidas absurdas, vão surgindo alguns nomes e desaparecendo e surgindo de novo. Mas parece que nenhum dos nomes bateu, sabe? Pra menina, eu e meu marido escolhemos Ana Clara, faz tempo e pronto. Decidido. Mas parece que enjoou. Eu não gosto mais tanto assim.

Aí eu fico pensando: Se eu for enjoar de todos os nomes, melhor escolher qualquer um e ir em frente, pq eu vou ter que repeti-lo por n vezes na minha vida.

Escolha difícil.